Mobilidade em Pozzallo, Sicília, Itália 06-15 outubro 2017 (7º dia)

Estava a semana quase a terminar e ainda foi possível visitar mais dois locais impressionantes pela sua localização e beleza: as cidades de Taormina e de Siracusa.

Voltámos a sair de madrugada de Pozzallo para logo bem cedo chegarmos a Taormina.

Importante centro turístico, a cidade de Taormina encontra-se situada 55 km a norte de Catânia. Construída no topo e nas encostas de uma montanha, as vistas para o Mar Jónico e do Etna são deslumbrantes. Taormina é uma cidade muito antiga, fundada no séc. IV a.C. por colonos gregos provenientes de Naxos. Já no período romano era conhecida e apreciada por senadores e aristocratas como local de excelência para descansar e aproveitar a vida. Hoje em dia é sinónimo de luxo e de glamour devido à sua extraordinária beleza, localização, aos inúmeros terraços panorâmicos e recantos com vistas avassaladoras para o mar, aos inúmeros hotéis, restaurantes e cafés com esplanada. É conhecida como a Pérola do Mar Jónico.

A visita ao Teatro Grego é obrigatória para quem visita a cidade, não só por se tratar de um exemplar importante da arquitetura da Grécia Antiga, pelas suas dimensões e pelo estado de conservação, mas também pela sua localização, que possibilita observar toda a encosta por onde se estende a cidade, sendo a vista do local impressionante. Ainda hoje é muito utilizado para a realização de espetáculos musicais e para a representação de peças de teatro.

                                                

                                                                                                             

Após a visita a Taormina rumamos a Siracusa, onde chegamos ao início da tarde. Não sendo possível visitar o parque arqueológico e o centro histórico da cidade, optámos por visitar este último, localizado em Ortigia.

Siracusa é igualmente uma cidade muito antiga, fundada cerca de 8 séculos a.C. por gregos. Foi cidade-estado até à sua conquista pelos romanos no sec. II a.C. Nela nasceu o célebre filósofo e matemático Arquimedes.

O seu centro histórico está localizada na ilha de Ortigia com cerca de 1 km², ligada à cidade apenas por três pontes. Nela encontram-se os mais importantes monumentos da cidade: a catedral, localizada na Piazza Duomo, a fonte de Diana e a fonte de Aretusa, de água doce, separada do mar apenas por um muro.

Diz a lenda que o deus Alfeu se terá apaixonado pela ninfa Aretuza depois de a ter visto nua enquanto tomava banho. Aretusa, porém, terá escapado das garras de Alfeu refugiando-se em Siracusa onde foi transformada em fonte pela deusa Artémis. Zeus, com pena de Alfeu, transformou-o em rio para que pudesse percorrer o mar Jónico, chegar a Siracusa e juntar-se à sua amada fonte. Hoje em dia, na fonte de Aretusa, crescem espontaneamente plantas de papiro.

   

Com os nossos incansáveis guias do dia: Roberto Puglisi e Marianna Cannizzaro.

                                                         

 

 

 

 

 

 

A propósito do projeto Water: a blue way to a better life, descobrimos e fotografamos uma fantástica loja de peixes de diversas qualidades.

Tal como não poderia faltar, aqui fica a estátua de Arquimedes com o mundo na sua mão, à entrada de Ortigia.

“Dai-me um ponto de apoio e levantarei o mundo”

 

Cansados do dia de viagem mas maravilhados com todos os locais visitados, o dia não tinha acabado. Faltava o último jantar convívio intitulado “Giro Pizza”. Claro que pelo nome é fácil adivinhar que o menu constava de pizzas de todos os sabores e em enormes quantidades, sempre a girar. A este jantar juntaram-se igualmente, para além dos estudantes e professores de todos os países presentes, os pais dos estudantes italianos que acolheram estrangeiros em suas casas. Foi uma noite em grande, a mesas eram enormes e as pizzas maravilhosas. Houve cânticos, diversão e alegria. Com a praia mesmo ao lado os estudantes aproveitaram a última noite juntos para reforçarem amizades e começarem as despedidas. A semana estava a terminar e já se começavam a ver rostos de tristeza por se terem de separar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *