Comemoração do Dia da Europa – 9 de maio

Comemoração do Dia da Europa – 9 de maio

A nossa Escola, imbuída do espírito europeísta que os projetos Erasmus+ KA1, KA2 e eTwinning lhe tem trazido, não podia deixar de celebrar este dia, que comemora o nascimento da Europa que conhecemos hoje. Mas “Que Europa?”…

              

Foi precisamente este o mote para a palestra dinamizada pelo professor Sérgio Teixeira, no auditório da escola, dirigida a toda a comunidade escolar, mas sobretudo aos alunos de 9º ano, que no próximo ano letivo poderão beneficiar do projeto KA2 em curso. Alunos que já conhecem a experiência de viajar para a Bulgária, em Erasmus+, e para a Itália, em eTwinning, também estiveram presentes, e todos foram recebidos ao som do “Hino à Alegria”, de Beethoven, símbolo da Europa.

No tom entusiástico a que já nos habituou, o professor Sérgio Teixeira tentou responder à questão “Que Europa?”, para isso mostrando, cronologicamente, e adotando uma perspetiva histórica, política e económica, os factos mais relevantes na vida desta “entidade supranacional”.

         

Depois de explicar a evolução da Europa (CECA – CEE – UE) e do que está na origem destas mudanças, recordou o tempo em que a Europa tinha grandes estadistas, como Churchill, por oposição a uma Europa com políticos/ politiqueiros; mostrou e explicou os símbolos da Europa; provou, mostrando gráficos, que a UE é a maior potência mundial (e não os Estados Unidos, como se julga, cujo PIB é inferior); alertou para o facto de que a Europa é “um gigante económico, mas um anão político” (não tem poder militar); ilustrou com situações concretas como o velho continente tem um modelo social exemplar; problematizou, fazendo a audiência refletir criticamente, sobre o Plano Juncker para a Europa; abordou os cenários do Brexit e da hipotética entrada da Turquia; referiu o domínio da UE pelos três “emes” – Macron, May, Merkel.

                                                                             

O professor Sérgio Teixeira apresentou, enfim, as vantagens e desvantagens de se ser europeu, considerando ainda assim, sem hesitação, “que é o melhor continente para se viver”.

Palavras de ouro para o professor Carlos Piedade, que “pegou” nelas para apresentar o vastíssimo leque de oportunidades que a Europa nos oferece em termos de Educação, Formação, Desporto e Voluntariado.

      

Enquanto participante em mobilidade para a Finlândia no projeto Erasmus+ KA1 2016/17 e coordenador do projeto para 2017/18, estando também ativamente envolvido no Erasmus+ KA2, pelo qual foi à Bulgária com alunos do 10º ano, entusiasmou a audiência apresentando todos os projetos em que a Escola está e continuará a estar envolvida e narrando a experiência de intercâmbio de alunos e de formação profissional no estrangeiro. A importância do domínio do Inglês foi acentuada pelo professor, que terminou a sua intervenção com a apresentação de dois pequenos vídeos (da Comissão Europeia e da Agência Nacional Erasmus+) que revelam, entre outros factos, que a taxa de empregabilidade dos jovens é maior se tiver, no seu percurso, o intercâmbio Erasmus. Ei-los:

http://esspc.pt/erasmus/2016/11/13/video-erasmus/

https://www.youtube.com/watch?v=QGC42u3fihw&feature=youtu.be

A palestra em que se equacionou a Europa terminou, por isso, da melhor forma, com a exaltação dos valores que estão na base da sua fundação: o desenvolvimento económico e social, a união, a paz, a solidariedade e a compreensão entre os povos, a promoção da cultura europeia.

Obviamente, não nos poderíamos ficar por aqui, e o átrio da Escola foi mais uma vez transfigurado, agora com a instalação artística (obrigada às colegas de Artes) de t-shirts vindas de dezenas de cidades europeias, gentilmente cedidas pela professora Celeste Ramos. As professoras Teresa Queirós e Clarinda Santos, da Biblioteca escolar, que têm sido aliadas imprescindíveis nestas aventuras Erasmus, organizaram exposição alusiva ao tema.                                                                                                 

Curiosidades/ factos acerca da Europa

Porquê dia 9 de maio?

Em maio de 1950, Robert Schuman, o então ministro francês dos Negócios Estrangeiros, apresentou, em Paris, uma proposta com as bases fundadoras do que é hoje a União Europeia.Resultado de imagem para Schuman declaração

Esta proposta, conhecida como “Declaração Schuman“, baseada numa ideia originalmente lançada por Jean Monnet, trazia consigo valores de paz, solidariedade, desenvolvimento económico e social, equilíbrio ambiental e regional e incluía a criação de uma instituição europeia supranacional incumbida de gerir as matérias-primas que nessa altura constituíam a base do poderio militar: o carvão e o aço.

Por se considerar que esse dia foi o marco inicial da União Europeia, os Chefes de Estado e de Governo, na Cimeira de Milão de 1985, decidiram consagrar o dia 9 de maio como “Dia da Europa”.

Adesão de Portugal à CEE

Portugal é membro de facto da União Europeia desde 1 de janeiro de 1986.

Resultado de imagem para adesão de portugal à cee
12 de Junho de 1985. Mário Soares assinou, com pompa e circunstância, o tratado de adesão de Portugal à CEE nos Jerónimos. O país tornou-se assim no 11.º membro da Comunidade Económica Europeia.

Os símbolos europeus:

A bandeira

É constituída por doze estrelas douradas dispostas em círculo sobre um fundo azul, que simbolizam os ideais de unidade, solidariedade e harmonia entre os povos da Europa.

O número de estrelas não está relacionado com o número de países da UE. O círculo é um símbolo de unidade.

O hino europeu

A melodia escolhida para simbolizar a UE é o  «Hino à Alegria», composto por Ludwig Van Beethoven em 1823, enquanto parte da Nona Sinfonia.

O hino, que não tem letra, utiliza a linguagem universal da música para exaltar os ideais europeus da liberdade, paz e solidariedade. O hino europeu não se destina a substituir os hinos nacionais dos países da UE, mas antes a celebrar os valores que estes partilham.

Para o ouvir:  https://www.youtube.com/watch?v=vXuhvzbQ5EI

O lema

A divisa da União Europeia, «Unida na diversidade» (“In varietate concordia“), começou a ser utilizada em 2000.

Esta divisa evoca a forma como os europeus se uniram e formaram a UE para trabalhar em conjunto pela paz e prosperidade, sem nunca esquecer a enriquecedora diversidade de culturas, tradições e línguas que caracteriza o continente europeu.

O euro

Moeda comum a 19 dos 28 países da UE, diariamente utilizada por cerca de 338,6 milhões de europeus, o euro é a prova mais tangível da integração europeia.